Treinamento Cerebral para Performance

Treinamento Cerebral para Performance

Escrito por Dra. Telma Trigo

25 abr 2019

Há alguns anos, sabe-se que  fazer atividades físicas é reconhecido como essencial à saúde física e mental

Com o cérebro-mente não é diferente ! Afinal, treinar nosso cérebro também é uma atividade física pois leva a mudanças em conexões cerebrais (aumentamos, criamos, diminuímos, extinguimos fisicamente as ligações entre neurônios).

Quando treinamos nosso cérebro-mente, podemos despertar nossos potenciais e desenvolver habilidades que não sabíamos poder ter.

São várias as modalidade de treino que podem ser associadas ou trabalhadas em sequência dependendo da avaliação do profissional capacitado. Um exemplo é o Treino em Atenção Plena-Mindfulness já tão reconhecido por várias corporações multinacionais e seus líderes, por governos, no esporte de alta performance, entre outros.

Neste treino, com a possibilidade de mudanças na atividade cerebral, poderá haver:

  • aumento de capacidade de atenção;
  • diminuição das sensações de angústia;
  • aumento da capacidade de interação social;
  • aumento de conscientização sobre si mesmo, com maior capacidade de recuperação de ânimos negativos;
  • menor frequência de pensamentos negativos;
  • aumento de autoestima;
  • melhora da comunicação com seus pares e diminuição de consequências negativas advindas de conflitos de relacionamentos;
  • aumento de inteligência emocional, com aumento da capacidade de cooperação e empatia;
  • diminuição da impulsividade, levando à diminuição da culpa e arrependimentos;
  • aumento da capacidade de persistência nas etapas que levam à realização de um objetivo.

Pessoas que treinam Atenção Plena-Mindfulness dão menos entrada ao hospital devido a doenças cardíacas, câncer e doenças infecciosas, além de procurar médico com metade da frequência que as pessoas que não praticam. Além disso, ajuda a reduzir o uso de drogas ilícitas, medicamentos controlados, álcool e cafeína.

Em atletas, inclusive com os pequenos inciantes, os treinos cerebrais há muitos anos já são utilizados. Afinal, não basta estar apto apenas fisicamente. Eles precisam de foco, de equilíbrio emocional e disciplina, saber evitar e escapar de lesões, ter capacidade de automotivação entre outros atributos cerebrais. Segundos de perda de contato com o momento presente, com seus corpos e instabilidade emocional podem custar uma medalha e quatro anos de muita dedicação. Com o treino, agiliza-se o processo de entrado ao “estado de fluxo” que significa entrar em sintonia com suas manifestações físicas que está em contato com o ambiente naquele momento. Afinal, o que importa no jogo é saber lidar com o que está acontecendo enquanto está acontecendo. Isso fica claro ao rever o incrível LeBron James jogando ! Além de treinar todos os dias, ele também treinava entre os intervalos dos jogos. Afirma que sua agilidade física e mental estão muito relacionados à esta estimulação cerebral-mental que conseguiu através da Atenção Plena.

Além dele, hoje muitos atletas da NBA (Associação nacional de basquetebol americano) param um momento em suas rotinas para praticar a técnica. Nos campeonatos, a adrenalina está  sendo liberada para todo o corpo e o foco mental-físico atinge seu ápice quando o cérebro-corpo estão no presente.

Mas não somente os atletas podem utilizar desta ferramenta. Todos os seres humanos podem dispor desse recurso. Com ele, é possível conhecer seus limites e ir além. Somos todos atletas enfrentando desafios diários, desejando ativar nossos potenciais, desenvolver as atuais e novas habilidades, aumentar nossa performance sem aumentar nossos níveis de estresse.

Entretanto, é necessário um profissional capacitado que ensine a técnica correta e supervisione sua aplicação. Isto porque, muitos confundem o objetivo do treino com relaxamento. E isso não é verdade. O estado cerebral de relaxamento está associado a sonolência, a menor desempenho mental advindo da estimulação de um tipo de onda cerebral diferente da de atenção plena.

Na Atenção Plena, o que se quer treinar é um estado cerebral de alerta sem estresse para que os estímulos ambientais e orgânicos internos possam ser percebidos e se possa dar respostas mais sábias que levam a um aumento de performance física-cerebral-mental.

Outro ponto a ressaltar é a possibilidade de reações adversas. Muitos acreditam que é só se sentar, fechar os olhos e tudo estará bem. Entretanto, quando mechemos com cérebro, mechemos com a forma como os neurônios se comunicam entre eles e com o resto do corpo. Com os longos anos de estudos científicos, hoje já se sabe que é necessário estar atento ao participante pois este pode apresentar algum sintoma desagradável que precisa ser detectado e manejado com eficácia.

Muitos chegam a abandonar o treinamento pois começam a ter sensações com as quais não sabem lidar e que não foram percebidas e orientadas adequadamente pelo treinador. Há necessidade inclusive de uma entrevista antes do início do treino para entender as motivações do participante e se há alguma questão física ou mental que precise de cautela ou até mesmo ser controlada antes de se iniciar o treino. Feito com responsabilidade, conhecimento e cuidado com o ser humano que está ali o caminho é muito compensador!

 

Treinar nosso cérebro, sem dúvida, é abrir incríveis e infinitas possibilidades para uma nova vida ! Treinar seu cérebro muda sua mente. Mude sua mente e sua vida mudará!

 

cta-blog

Dra. Telma R Trigo

Breve Resumo Profissional

Médica Psiquiatra –USP atua na área de Psiquiatria, de Estilo de Vida  e Treinamento Cerebral para melhorar condições não só que estejam atrapalhando o desempenho mental do cliente, como otimização e libertação do seu potencial.

  • Especialização em Atenção Plena – Mindfulness pelo Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas – USP
  • Especialização em Mindful Eating –MEHP –Mente Aberta
  • Biofeedback e Neurofeedback – Treinamento Cerebral
  • Pós-graduação em Nutrologia pela Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN)
  • Pesquisadora do Departamento de Otoneurologia – USP (Ambulatório de Tontura do Hospital das Clínicas) (2016-2017)
  • Mestre em Psiquiatria –– Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas – USP (IPq – USP)
  • 1olugar no ano 2007 com seu Projeto de Mestrado sobre Esgotamento Profissional (Burnout Synddorme)
  • Pesquisadora em Psiquiatria/Comportamento Humano – Instituto de Psiquiatria – USP (2007 –2011)
  • Supervisora dos Residentes de Psiquiatria do Instituto de Psiquiatria – Faculdade de Medicina – USP (2007-2008)
  • Supervisora dos Alunos de sexto ano da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo – Hospital das Clínicas – USP (2002-2003)
  • Médica Psiquiatra do Ambulatório de Transtornos Alimentares (Anorexia e Bulimia) e Obesidade/Pós-bariátrica do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da USP (IPq – HCFM-USP) (2002 –2003)
  • Médica Especialista em Psiquiatria pela Universidade de São Paulo (USP)
  • Médica Especialista em Psiquiatria pela Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP)
  • Residência em Psiquiatria Hospital das Clínicas da USP (São Paulo)
  • 1olugarno concurso do Hospital das Clínicas da USP (São Paulo) para a Residência Médica em Psiquiatria – São Paulo
  • Residência em Psiquiatria Hospital das Clínicas da USP Ribeirão Preto quando morava nesta cidade
  • Médica pela Faculdade de Medicina – Universidade de São Paulo – USP
  • Gestão e Consultoria de Imagem Pessoal/Corporativa (Ilana Berenholc, Ana Vaz)
  • Atriz – DRT (Studio Fátima Toledo – Tropa de Elite, Pixote, Cidade de Deus)
  • Apresentadora de TV –DRT (SENAC)